O campo internacional é multidisciplinar, ou seja todos profissionais podem em maior ou menor grau desenvolverem atividades dentro dessa área. Por esse motivo é difícil para muitos considerarem Relações Internacionais quanto profissão e isso gera uma ampla discussão. Relações Internacionais: profissão ou não?

Ao procurar oportunidades de trabalho, dificilmente o egresso do curso de Relações Internacionais vai ser depara como uma vaga específica para internacionalistas, mas sim vai ter que competir pro espaço com outras profissões. Isso gera uma grande insegurança e por vezes se torna uma missão ardua se encontrar como analista de Relações Internacionais.

Para muitos, quando se questionam sobre a profissão, vão ter como referencial a carreira diplomática pública. Isso é o que mais estimula os interessados no campo a seguirem os estudos de Relações Internacionais, mas logo notam que, no Brasil e em quase a totalidade dos países, a carreira não é exclusiva para internacionalistas.

Se não encontramos vagas para “Relações Internacionais” não quer dizer que não existam oportunidades para esse profissional. Por isso é importante ficar atendo e observar setores da economia que mantenham negócios com o mundo ou que precisam de profissionais polivalentes e capazes de fazer estudos complexos envolvendo múltiplos fatores.

O mercado de trabalho é disperso e não específico, ou seja, existem oportunidades em lugares inimagináveis. Por isso é preciso ter seriedade e comprometimento. Quem vê como um mercado sem trabalho, pois de fato há poucas oportunidades para “internacionalistas” está certo, não tem vagas e busque outro campo para trabalhar. Agora quem observa está disposto a aprender temas novos, como por exemplo saúde, economia, administração, agronegócio, etc., vai observar um mar de oportunidades.

Por isso é preciso ver Relações Internacionais como um campo de trabalho que não se limita e nem se intitula como “Vaga para Analista de Relações Internacionais”, mas que sim vão atuar com relações internacionais. As grandes empresas, as organizações não-governamentais, as startups de tecnologia e as empresas de comércio exterior são as principais contraentes.

Profissionais bem qualificados são disputados por qualquer negócio que entende a importância do capital humano para o desenvolvimento dos negócios. Por isso, o internacionalista com experiência internacional, fluente em outros idiomas, com conhecimento de programas de gestão, além de sua sólida formação, vão ter sempre oportunidades.

Caso tenha alguma dúvida sobre a atuação do internacionalista ou sobre o mercado de trabalho, basta consultar nossa página de matérias para tirar suas dúvidas ou entrar em contato com nossos especialistas.