Mais de 10 anos depois do boom de abertura de cursos de graduação e de pós-graduação, agora o internacionais já conhece qual é o mercado de trabalho para Relações Internacionais. Conheça os principais setores para atuação e como procurar as oportunidades.

Empresas multinacionais

A contratação de internacionalistas se dá principalmente através de processos seletivos para estágio e treinee em empresas multinacionais. As seletivas começam geralmente no segundo semestre para início das atividades no começo do ano seguinte. Como treinee, o salário médio inicial é de R$ 4000,00. O site Vagas.com.br é o principal canal utilizado para o processo de contratação.

Recomenda-se aos internacionalistas que procurem já no último ano de faculdade participar dos processos seletivos para ganharem experiência e prepararem para atender os critérios que cada oportunidade cobra.

Startups – novas oportunidades para internacionalistas

As startups – empresas de tecnologia de crescimento dinâmico – atualmente já absorvem um bom número de egressos do curso de Relações Internacionais. A procura por esse perfil profissional se deve a versatilidade e capacidade de aprendizado, além da capacidade de responder a diferentes cenários que uma empresa iniciante enfrenta. O salário é variável, podendo começar em R$ 2000 reais e aumentar conforme a empresa ganhar corpo.

Recomenda-se aos analistas de Relações Internacionais que procure saber quais startups existem na região onde vivem ou por setores de atuação e de interesse do profissional, para então entrar em contato e oferecer os serviços.

Empresas de marketing de conteúdo e softwares de gestão

Muitas empresas que trabalham com carteiras diversificadas de clientes, em diferentes países e com interesse de expansão internacional, procuram também internacionalistas para atuarem na área de vendas e de suporte. Essas empresas pagam um valor variável e com muitas premiações por produtividade, com ganhos inicias de R$ 3000,00 reiais.

Para entrar nesse setor, é importante notar as terminologias que utilizam na hora de divulgarem as vagas, pois geralmente não apresentam, pois não procuram o internacionalista, e sim pessoas dinâmicas, com domínio de softwares de gestão, de editoração e de vendas.

Empresas exportadoras e importadoras

Talvez esse seja o setor que mais contrata internacionalistas para atuarem diretamente na relação com fornecedores e clientes internacionais. Também para tratarem de questões técnicas especificas do campo de comércio exterior. Atualmente as vagas para esse profissional estão próximas polos e centros logísticos e portos, mas também próxima de centros industriais e grandes cidades. O salário inicial é variável dado ao grau de complexidade da área de atuação e características requisitadas do internacionalista, girando em toro de R$ 2000.

Recomenda-se que o internacionalista tenha facilidade com números, paciência para trabalhos burocráticos e conhecimento das disciplinas de comércio exterior. Também é aconselhável que os internacionalistas procurem um curso específico para aprofundarem no tema.

Organizações não-governamentais

Com a globalização e emergência de atores não-estatais, as ONGs ganharam maior relevância pois atendem demandas antes consideradas marginais dentro da política internacional. O profissional internacionalista, nesse contexto, se torna peça fundamental devido sua capacidade de compreender as transformações no cenário internacional e sua sensibilidade e formação aprofundada em Direitos Humanos.

Recomenda-se que os interessados em trabalhar nessas organizações procurem suas páginas e apresente as possibilidades que a contratação de um internacionalista representa para a organização. A principal forma de entrada é através da prestação de serviços voluntários, uma forma de conhecer o setor para qual atuam e se o internacionalista realmente tem interesse nas atividades propostas.