Blog

Diplomata corporativo: 5 habilidades imprescindíveis

diplomata corporativo
Diplomacia Dicas

Diplomata corporativo: 5 habilidades imprescindíveis

A diplomacia corporativa é uma das possibilidades de atuação profissional dos Analistas de Relações Internacionais que mais tem crescido nos últimos anos – por meio da figura do Diplomata Corporativo.  De acordo com a Organização Mundial do Comércio (OMC), o volume do comércio mundial do ano de 2019 é quarenta e uma vezes maior em comparação ao número registrado em 1950. Essa evolução pode ser traduzida no crescimento da internacionalização de empresas e em uma maior complexidade de relações entre atores diversos.

A tomar em consideração esse contexto, as corporações e outros tipos de agentes econômicos não-estatais precisam empregar ferramentas que os auxiliem na garantira e na representação dos seus interesses, e no gerenciamento de seus riscos como protagonistas na dimensão internacional. É nesse sentido que a figura do diplomata corporativo está inserida. Diante desse panorama, foram listadas cinco habilidades importantes para que o diplomata corporativo possa construir ou ajudar a formar estratégias de negociação em empresas internacionais.

1. Negociar com muitas partes

O diplomata corporativo precisa lidar com uma gama extensa de atores que estão envolvidos nas atividades da corporação que representa. Esses atores são conhecidos como stakeholders: são funcionários, clientes, acionistas, empresas concorrentes, fornecedores, autoridades políticas, representantes de grupos de pressão, ONGs, governos etc. Na identificação das partes que interagem com o negociador, o analista de relações internacionais precisa classificar os atores envolvidos nas negociações de acordo com: a) o poder político, b) os interesses (conflituosos ou não) e c) se adotam uma posição de combate ou de cooperação.

2. O diplomata corporativo precisa ter o olhar aguçado para o internacional

O diferencial do analista de RI como representante de uma empresa no exterior é justamente ter as habilidades de compreender as muitas variáveis presentes no sistema internacional e, a partir delas, tomar as melhores decisões. Durante a negociação, o diplomata corporativo precisa estar atento às práticas dos atores participantes, aos cenários políticos e econômicos dos países envolvidos e aos possíveis impactos dos conflitos no processo de negociação, e também precisa saber as formas pelas quais os principais departamentos dos governos envolvidos nas negociações funcionam. Para isso, é necessário investigar os históricos de negociações desses Estados, o que dará mais dicas sobre os caminhos pelos quais o diplomata empresarial poderá percorrer.

3. Conhecimento estratégico

O desenvolvimento do pensamento estratégico deve ser um dos principais objetivos dos responsáveis pela negociação de uma corporação em âmbito internacional. Tal como os estrategistas das guerras entre Estados, o negociador deve procurar pelos melhores caminhos e traçar os melhores planos para atingir os resultados desejados pela corporação que representa. Mais ainda, deverá considerar a possibilidade de agir em conjunto com o corpo diplomático do seu país de origem sempre quando for necessário, de maneira a aumentar o poder de barganha durante a negociação. Como parte do conhecimento estratégico, também é preciso gerenciar as crises ocorridas no desencadear da negociação, de forma a tomar as melhores decisões e assim mitigar os efeitos negativos que possam surgir.

4. Comunicação e negociação política

Para defender os interesses da empresa, nas interações oficiais e privadas existentes nas negociações com líderes e oficiais de governo, o diplomata corporativo precisa saber uma série de procedimentos. Os representantes internacionais precisam ter ciência sobre como gerenciar as relações com a mídia e outros canais de comunicação. Sobre a participação da sociedade civil, é preciso levar em consideração os grupos de pressão que podem ser hostis quanto às atividades da empresa. Além disso, dado o caráter multilateral das negociações, o diplomata corporativo precisa se atentar sobre os procedimentos e ritmos que existem nos regimes internacionais que guiam o processo de negociação entre organizações.

5. Perspectiva multicultural

Graças à diversidade do ambiente internacional, o diplomata corporativo precisa ter afinidade e aprender lógicas de governança e práticas culturais que são diferentes em relação às de seu país de origem. Grande parte dos problemas encontrados por empresas internacionais se dão em ambientes culturais, políticos e legais bastante diferentes daqueles da matriz da companhia. Dadas as diferenças do mundo, o diplomata corporativo também irá lidar com culturas que possuem seus próprios métodos de negociação e, por isso, precisa ser empático para poder ter sucesso na sua empreitada.

diplomata corporativo
Curso de Diplomacia Corporativa

Se você deseja desenvolver estas habilidades imprescindíveis, aprimorando ferramentas e práticas profissionais para se tornar um diplomata corporativo, inscreva-se no nosso Curso de Diplomacia Corporativa.

Deixe o seu pensamento aqui